Na volta às aulas, os mais de 500 mil alunos, 9 mil professores e 5 mil funcionários participarão de uma série de atividades nas 90 unidades da instituição de ensino em todo o país

O trote solidário já é uma rotina bastante conhecida nos campi da Estácio em todo o Brasil. Para receber os novos alunos, são realizadas atividades como campanha de doação de sangue, coleta de livros para alunos da rede pública, mutirões de limpeza, campanhas de reciclagem e prestação de serviços em geral à comunidade.

Cada unidade monta a sua programação, desde que tenha obrigatoriamente um cunho de responsabilidade social. Mas no início deste 1º semestre letivo de 2016 vai ser diferente. Os mais de 500 mil alunos, 9 mil professores e 5 mil funcionários formarão uma força-tarefa única, contra o inimigo nacional número 1: o mosquito Aedes Aegypti, também responsável pela transmissão da dengue, Zika e chikungunya.

Diversas ações foram planejadas e vão ocorrer até o final de março nos mais de 90 campi da instituição espalhados pelo país. No dia 19 de fevereiro foi a vez da blitz antimosquito nas unidades, com a intensificação do trabalho preventivo de localização e eliminação de possíveis focos de água parada e criadouros do mosquito.

Na última sexta, dia 26, com os alunos veteranos já em sala de aula, o foco foi uma campanha de conscientização. Ações e atividades, como por exemplo a palestra ‘Conhecendo e se protegendo contra o Aedes Aegypti’ e o mutirão contra o mosquito na Rua 44, envolveram alunos, professores, coordenadores de curso e ainda a comunidade em geral para que ninguém ficasse de fora da cruzada contra o mosquito.

E em 9 de março, no 1º dia de aula dos calouros, o trote solidário também vai extrapolar os muros das unidades da Estácio, levando informação e mudança de comportamento a locais públicos e sinais de trânsito de todo o Brasil. Veteranos e calouros vão distribuir folhetos com dicas de combate e prevenção contra a Zika, a Dengue e a Chykungunya.